Pós-parto: Saiba como identificar depressão pós parto

A depressão pós parto (DPP), é uma doença pouco valorizada, mas que prejudica mãe, bebê, companheiro e toda a família, estima-se que 10 a 20% das mulheres possam desencadear a depressão. Portanto, é importante saber identificar os sintomas o mais precocemente possível, para o tratamento ocorrer com maior urgência, para não prejudicar o vínculo afetivo entre mãe/bebê.

Para começar precisamos diferenciar a depressão pós parto de outros problemas que podem acometer a mulher nesse momento tão cheio de sentimentos e de alterações hormonais. Não se sabe ainda perfeitamente o motivo da depressão pós pós parto, mas sabe-se que as flutuações hormonais e condições de estresse são fatores importantes nestes processo. E como saber se estou com depressão pós parto? Vamos diferenciar?

Tristeza materna (baby blues)

Nos primeiros dias pós parto a mulher depare-se com uma mistura de sentimentos e alterações hormonais, e com o choque de realidade de ter que cuidar de um serzinho tão pequeno e que lhe consome tanta energia. Neste momento, a mulher pode se sentir extremamente feliz em certo momento e em outros totalmente desamparada, chorando sem qualquer motivo, caracterizando o grau mais leve de depressão pós-parto. Mas, essa melancolia se dissipa sozinha, conforme os hormônios vão se normalizando. Ela ocorre geralmente dentre o 4° e 5° dia pós parto e pode durar até 2 semanas depois. Se sentir esse sintomas, procure ajuda e cuide-se, esses sentimentos não podem ser desvalorizados, e ainda há risco de desenvolver uma depressão mais séria que exija tratamento médico. Não se sinta culpada, estima-se que 60% das mulheres apresentam essa tristeza pós parto.

O que diferencia uma depressão pós parto?

A depressão por parto ocorre após a 4° semana pós parto, por vezes mais tarde, mas se inicia sempre no primeiro ano de vida do bebê e pode perdurar além de um ano. O sintomas mais frequentes são:

  • Irritabilidade;
  • Choro frequente;
  • Sentimento de desamparo e desesperança;
  • Falta de energia e motivações;
  • Alterações de sono e apetite;
  • Desinteresse sexual;
  • Sentimento de ser incapaz de lidar com os cuidados com o bebê ou com situações novas;
  • Queixas psicossomáticas;
  • Incapacidade de desejar coisas e rir;
  • Incapacidade de apreciar a vida;
  • Dificuldade de concentrar-se e tomar as menores decisões;
  • Sentir-se culpada por tudo;
  • Evita os amigos ou contato social;
  • Falta de apetite e dificuldade em dormir, ou o contrário dorme e come o tempo todo;

O diagnóstico da depressão pós parto é dificultado pela frequente falta de sono e apetite, ou o estresse pela exaustiva rotina com o novo bebê. Mas é necessário diferenciar a depressão do simples cansaço. Existem fatores que predispõe a depressão pós parto e esses são:

  • Fatores relacionados ao bebê: prematuridade, intercorrências​ no nascimento, ou malformações congênitas.
  • Fatores socioculturais: morte de algum familiar, falta de apoio do parceiro, dificuldade ou a falta de ajuda da própria mãe, necessidade retomar a carreira.
  • Fatores relacionados a mãe: alterações hormonais, cansaço extremo, aborto ou morte de um bebê anterior, depressão anterior ou na gestação.

A qualidade nos relacionamentos interpessoais, principalmente com o parceiro, a ocorrência de eventos estressantes na gravidez e no parto e problemas na renda familiar são ainda fatores desencadeantes da depressão. A DPP nunca deve ser desvalorizada, e a mulher não deve ser culpada. É necessário uma conscientização deste problema pois ela é causadora de grande angústia familiar, e a mulher necessita de acompanhamento médico. Deve-se levar em consideração que a depressão pós parto afeta também o bebê, quanto maior a duração da DPP maior a redução de afeto e cuidados direcionados ao bebê, prejudicando o desenvolvimento cognitivo e social no seu primeiro ano de vida.

Se você sentir esse sintomas, procure atendimento médico, você precisa de ajuda, a depressão pós parto não se cura sozinha, diferente do baby blues e necessita de acompanhamento médico e psicológico e ainda o uso de medicações.

Enfª Lirian Tairy

Beijo

________

Siga no Instagram e Facebook @maternidadeintuitiva

Visite o blog Maternidadeintuitiva.com

Anúncios

1 comentário Adicione o seu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s